GRSA

Fortalecer o sistema imunológico é fundamental para enfrentar doenças

Um dos grandes desafios do período de isolamento social e home office tem sido manter a alimentação equilibrada. Não à toa, especialistas já têm falado em uma pandemia de obesidade em meio à pandemia de novo coronavírus. Isso porque, além de reduzirem os exercícios físicos, muitas famílias investiram em produtos e alimentos industrializados por serem mais práticos e durarem mais tempo na despensa ou congelador.

Para a nutricionista e gerente de HSEQ da GRSA|Compass, Mara Baggio, é muito importante cuidar da alimentação, principalmente neste período de pandemia para fortalecer o sistema imunológico e enfrentar melhor as doenças.

Para ajudar nos desafios da alimentação em casa, ela separou algumas dicas importantes:

Reforce a sua imunidade: alguns nutrientes têm esse papel, como o Zinco (encontrado em alimentos como as carnes, semente de abobora e gergelim), o Selênio (encontrado na castanha-do-Pará, ovo, sementes de girassol, fígado bovino, peixes diversos e peito de frango), a vitamina A (encontrada na gema de ovo, leite, fígado de boi, frutas e legumes amarelos e alaranjados e vegetais verde-escuros), a vitamina B6 (encontrada na banana, peixes como salmão, frango, camarão e avelãs) e a vitamina C (encontrada na laranja, limão, acerola, abacaxi, goiaba, agrião, escarola, brócolis.

Planeje as refeições: o primeiro passo para manter uma alimentação de qualidade é planejar as refeições. O ideal é criar cardápios fáceis e rápidos de preparar, que permitam aproveitar ingredientes nas diversas refeições. Dessa forma também é possível economizar tempo e dinheiro.

Prefira alimentos in natura ou minimamente processados: aproveite para introduzir novos hábitos que levem a uma alimentação adequada e saudável, utilizando, preferencialmente, alimentos in natura (como arroz, feijão, mandioca, batata, frutas, legumes e verduras) ou minimamente processados de origem vegetal ou animal. Limite ao máximo a ingestão de alimentos processados, tais como: queijos, enlatados, extrato ou concentrado de tomate, frutas em calda ou cristalizadas, carne seca, atum e sardinha enlatados, e pães feitos de farinha de trigo. E evite os ultraprocessados, ou seja, alimentos industrializados, como biscoitos doces, recheados, etc.

Crie uma lista de compras: planeje-se antes de ir ao mercado. Faça uma lista baseada no cardápio e compre apenas aquilo que você sabe que será consumido.

Separe um dia para cozinhar: nem sempre é possível cozinhar todos os dias e dar conta do trabalho, da casa e dos filhos. Por isso uma boa opção é separar um dia para cozinhar todas refeições do cardápio da semana.

Porcione e congele as refeições: depois de cozinhar, divida as porções de acordo com o que será consumido em cada uma das refeições. Depois que esfriarem, leve ao congelador em recipientes adequados, preferencialmente de vidro.

Não desconte a ansiedade na comida: antes de atacar a geladeira, respire fundo e conte até dez. Pense se você realmente está com fome ou se está descontando a ansiedade na comida.

Beba água: muitas vezes confundimos fome com sede. Mantenha sempre uma garrafa de água por perto e cuide da hidratação.

Evite delivery: por mais prático que seja pedir a comida em casa, o delivery pode ser um convite a refeições sem valor nutricional. Se precisar pedir, evite o fast food e busque opções balanceadas.

“Uma escapada ou outra é normal e compreensível neste período de isolamento, que acaba causando muita ansiedade. O que não podemos é fazer com que a exceção vire regra”, reforça Mara.